Big tech, grandes perdas. Os bilionários da tecnologia tiveram outro ano difícil em 2022, diminuindo tanto em número quanto em riqueza coletiva no ranking da Forbes das pessoas mais ricas do mundo. Ao todo, a Forbes encontrou 313 bilionários que fizeram fortuna em tecnologia, ante 332 no ano passado. O patrimônio líquido agregado é de US$ 1,9 trilhão (R$ 9,8 trilhões) – US$ 200 bilhões abaixo dos US$ 2,1 trilhões (R$ 10,5 trilhões) da lista do ano passado.

Veja quem são os 25 maiores bilionários do mundo

Os números menores refletem um mercado de tecnologia em queda, corrigindo o pico de 2021, quando a Forbes encontrou 365 bilionários de tecnologia no valor de US$ 2,5 trilhões (R$ 12,6 trilhõeS), o maior valor de todos os tempos. O setor provou não estar imune a amplas preocupações com a inflação, ao aumento das taxas de juros e aos temores de recessão, sem mencionar a repressão do governo aos bilionários da tecnologia na China.

Não que a tecnologia não seja mais um bom campo para ficar rico. É o terceiro setor mais comum para bilionários e o que garante grupos mais ricos, com seus bilionários valendo cerca de US$ 170 bilhões (R$ 880 bilhões) a mais do que a moda e o varejo. Porém, o grupo está corrigindo algumas das fortes valorizações imediatamente pós-pandemia.

Ninguém perdeu mais do que o fundador da Amazon, Jeff Bezos, que está US$ 57 bilhões (R$ 295,3 bilhões) menos rico do que há um ano, graças a uma queda de 38% nas ações da gigante do comércio eletrônico. A Amazon, que contratou rapidamente durante a pandemia, agora está revertendo parte desse crescimento com 27 mil demissões anunciadas no início de 2023. Sua ex-esposa, MacKenzie Scott – que recebeu um quarto das ações de Bezos no divórcio de 2019 e que tem doado dinheiro em um ritmo recorde – diminuiu muito seu patrimônio também, em US$ 19,2 bilhões (R$ 99,5 bilhões).

Outros gigantes da tecnologia cujas fortunas sofreram um grande golpe incluem Larry Page e Sergey Brin, do Google (-US$ 31,8 bilhões e -US$ 31 bilhões, respectivamente), bem como Bill Gates e Steve Ballmer, da Microsoft (-US$ 25 bilhões e -US$ 10,7 bilhões, respectivamente). A Microsoft e a Alphabet, controladora do Google, também anunciaram grandes demissões em 2023, afetando 10 mil e 12 mil funcionários, respectivamente.

Mas as empresas de tecnologia famosas não são as únicas prejudicadas pelo cenário macroeconômico atual. Os unicórnios – startups avaliadas em US$ 1 bilhão ou mais – também enfrentaram dificuldades neste ano, já que o dinheiro dos capitalistas de risco secou e as avaliações caíram.

Os fundadores de unicórnios perderam parte da maior riqueza de todos os bilionários desde o ano passado, quando as empresas foram reavaliadas pela porcentagem do patrimônio líquido. Veja os cofundadores John e Patrick Collison, da Stripe, que levantaram dinheiro com uma avaliação de US$ 50 bilhões (R$ 259 bilhões) em março, uma queda de 47% em relação à última rodada de financiamento em março de 2021. Melanie Perkins e Cliff Obrecht, da empresa de design gráfico Canva, também vale cerca de metade do pico de setembro de 2021, segundo estimativas da Forbes.

Cada um dos quatro viu sua fortuna cair mais de 40% desde o ranking da Forbes de 2022. Ao todo, 51 fundadores de unicórnios estão menos ricos do que em 2022 – e pelo menos 19 deles não são mais bilionários.

Os 20 bilionários da tecnologia que perderam mais riqueza este ano:

1. Jeff Bezos

Patrimônio líquido: US$ 114 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 57 bilhões | Fonte da Riqueza: Amazon

Ele está US$ 57 bilhões mais pobre do que há um ano – a maior perda de qualquer bilionário da lista – graças a uma queda de um terço no preço das ações da Amazon. Desde que deixou o cargo de CEO da Amazon em 2021, Bezos voou para o espaço por meio de sua empresa Blue Origin, fez ondas com um super iate de US$ 500 milhões e intensificou sua filantropia por meio do apoio a grupos como pré-escolas gratuitas da Bezos Academy e doações de seu Bezos Earth Fundo.

2. Larry Page

Patrimônio líquido: US$ 79,2 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 31,8 bilhões | Fonte da Riqueza: Google

O cofundador do Google se afastou das operações diárias em 2019, mas no final de 2022 participou de reuniões de estratégia ao lado do cofundador Sergey Brin em meio à corrida de inteligência artificial generativa estimulada pelo ChatGPT. Page também parou de vender suas ações depois de descarregar mais de US$ 2,5 bilhões entre maio de 2021 e abril de 2022. Ele não vendeu nenhuma ação desde então – e posteriormente viu sua fortuna cair devido à queda de 30% nas ações do Google.

3. Sergey Brin

Patrimônio líquido: US$ 76 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 31 bilhões | Fonte da Riqueza: Google

Como seu cofundador Page, Brin pode estar assumindo um papel mais ativo na empresa controladora do Google, Alphabet, novamente. Uma solicitação de código registrada em janeiro parece ser a primeira em anos, e ele teria submetido alterações de código ao chatbot de IA do Google. Brin vendeu mais de US$ 2,5 bilhões em ações da Alphabet entre maio de 2021 e abril de 2022, mas só doou ações desde então.

4. Bill Gates

Patrimônio líquido: US$ 104 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 25 bilhões | Fonte da Riqueza: Microsoft

Gates ainda passa 10% de seu tempo trabalhando com equipes da Microsoft, apesar de deixar o conselho em 2020. Ele possui cerca de 1% de suas ações, que caíram 10% desde o ano passado. Mas a maior razão para sua grande queda na riqueza: em julho, Gates anunciou uma doação de US$ 20 bilhões para sua Fundação Gates, que ele co-preside com sua ex-esposa, Melinda French Gates. A dupla planeja encerrar a organização dentro de 25 anos.

5. MacKenzie Scott

Patrimônio líquido: US$ 24,4 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 19,2 bilhões | Fonte da Riqueza: Amazon

Scott doou mais de US$ 14 bilhões desde seu divórcio de Jeff Bezos em 2019, uma soma impressionante que inclui US$ 6 bilhões apenas em 2022. Em dezembro, Scott cumpriu sua promessa de detalhar todas as doações que ela fez até agora em um site chamado Yield Giving; ele lista os 1.600 grupos para os quais ela doou.

6. Steve Ballmer

Patrimônio líquido: US$ 80,7 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 10,7 bilhões | Fonte da Riqueza: Microsoft

A riqueza de Ballmer caiu devido à queda de 10% nas ações da Microsoft. Felizmente, seu LA Clippers – o sexto time mais valioso da NBA – está voando alto. Ele está construindo para eles uma arena de US$ 2 bilhões com financiamento privado (com 1.200 banheiros), com conclusão prevista para 2024.

7. Eric Schmidt

Patrimônio líquido: US$ 16,2 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 5,9 bilhões | Fonte da Riqueza: Google

O ex-CEO do Google agora concentra grande parte de seu tempo em filantropia, mas – como Page e Brin – a riqueza de Schmidt caiu em grande parte por causa do declínio nas ações da Alphabet.

8. Jay Chaudhry

Patrimônio líquido: US$ 6 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 5,4 bilhões | Fonte de riqueza: software de segurança

O cofundador e CEO da empresa de segurança em nuvem Zscaler viu sua fortuna cair quase pela metade, correspondendo à queda de 48% no preço das ações de sua empresa. A Zscaler ultrapassou US$ 1 bilhão em receita pela primeira vez no ano fiscal de 2022, mas disse que “espera ver perdas líquidas no futuro previsível”.

9. Mike Cannon-Brookes

Patrimônio líquido: US$ 10,2 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 5,1 bilhões | Fonte de Riqueza: Software

Como muitos de seus colegas bilionários unicórnios de tecnologia, o cofundador e co-CEO da Atlassian viu sua riqueza despencar este ano devido à queda de 37% no preço das ações de sua empresa. Mais de sete anos após o IPO do provedor de serviços de software em 2015, a Cannon-Brookes começou a vender ações em outubro de 2022 – quando as ações da Atlassian já estavam muito abaixo do pico de 2021 – como parte de um plano de negociação arquivado na Securities and Exchange Commission. Ele vendeu US$ 123 milhões em ações desde então.

10. Michael Dell

Patrimônio líquido: US$ 50,1 bilhões | Mudança desde março de 2022: -$ 5 bilhões | Fonte da Riqueza: Dell Technologies

O escritório familiar do presidente e CEO da Dell, MSD Partners, tornou-se uma grande empresa de investimentos e consultoria. Ela administra mais de US$ 12 bilhões e se fundiu com a BDT & Co., do também bilionário Byron Trott, em outubro. Ainda assim, a Dell está US$ 5 bilhões mais pobre este ano, após uma queda de 27% nas ações da Dell Technologies.

11. Zhang Yiming

Patrimônio líquido: US$ 45 bilhões | Mudança desde março de 2022: -$ 5 bilhões | Fonte da Riqueza: Tik Tok

O fundador da ByteDance, controladora do TikTok, deixou o cargo de CEO em maio de 2021 e logo renunciou ao conselho, supostamente sob pressão do governo chinês. Sua fortuna, porém, continua concentrada em sua participação na ByteDance, que enfrenta maior escrutínio nos EUA sobre sua subsidiária de mídia social TikTok e a maneira como ela gerencia os dados do usuário. Em março, uma empresa de inteligência artificial com sede em Abu Dhabi supostamente adquiriu uma participação que avaliou a ByteDance em US$ 220 bilhões, abaixo da avaliação de US$ 300 bilhões implícita na recompra de ações da empresa no outono de 2022.

12. Scott Farquhar

Patrimônio líquido: US$ 10,1 bilhões | Mudança desde março de 2022: -$ 5 bilhões | Fonte de Riqueza: Software

A queda na riqueza do cofundador e co-CEO da Atlassian vem em grande parte da queda no preço das ações da empresa este ano. Depois de não vender ações por sete anos, Farquhar e seu co-CEO Mike Cannon-Brookes estão lentamente diminuindo sua participação na empresa por meio de um plano de negociação arquivado na SEC. Desde outubro de 2022, quando começaram a vender, os cofundadores venderam mais de US$ 100 milhões em ações (antes dos impostos) cada um.

13. Laurene Powell Jobs e família

Patrimônio líquido: US$ 12 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 4,4 bilhões | Fonte da Riqueza: Apple, Disney

Powell Jobs tem investimentos em Stripe, Handshake e outros unicórnios que abrangem todos os setores, desde tecnologia verde e tecnologia de saúde até mídia e educação através de seu Emerson Collective. Mas grande parte de sua riqueza ainda está ligada a ações da Apple e da Disney, herdadas de seu falecido marido Steve Jobs (falecido em 2011), que caíram 3% e 29%, respectivamente.

14. Kim Beom-su

Patrimônio líquido: US$ 5 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 4,1 bilhões | Fonte da Riqueza: Kakao

O fundador da empresa de internet sul-coreana Kakao, conhecida por seu aplicativo de mensagens KakaoTalk e braço fintech Kakao Pay, deixou o cargo de presidente no ano passado em meio a uma investigação antitruste e alegações de evasão fiscal. (Kakao negou as alegações como “infundadas” e elas foram posteriormente rejeitadas pelo órgão tributário nacional da Coréia.) A riqueza de Kim caiu 45% devido à queda nos valores das ações da Kakao Corp, listada na Coréia.

15. John Collison, Patrick Collison

Patrimônio líquido: US$ 5,5 bilhões cada | Mudança desde março de 2022: -$ 4 bilhões cada |Fonte da Riqueza: Stripe

Os irmãos Collison cofundaram o processamento de pagamentos do unicórnio Stripe, que atingiu o pico em 2021 com uma avaliação de US$ 95 bilhões. Depois de demitir 1.000 funcionários no final de 2022, a Stripe levantou US$ 6,5 bilhões em uma avaliação de US$ 50 bilhões em março – uma redução de 47%. Cada um dos irmãos possui cerca de 11%.

17. John Doerr

Patrimônio líquido: US$ 8,8 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 3,9 bilhões | Fonte da riqueza: capital de risco

Doerr construiu sua riqueza por meio de investimentos em tecnologia, entrando no início de alguns dos maiores players do setor – incluindo Google (preço das ações: -30% desde a lista de 2022), Amazon (-37%) e DoorDash (-39%) – por meio de empresa de capital de risco Kleiner Perkins.

18. Bobby Murphy

Patrimônio líquido: US$ 2,5 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 3,8 bilhões | Fonte da Riqueza: Snapchat

A riqueza do cofundador e diretor de tecnologia da Snap caiu junto com o preço das ações de sua empresa. Embora tenha se estabilizado no início de 2023 com alguns resultados de ganhos melhores do que o esperado, as ações da Snap ainda estão sendo negociadas a menos de um oitavo de seu preço de pico em 2021 e a pouco mais da metade de seu preço de IPO de US$ 17 em 2017.

19. Pavel Durov

Patrimônio líquido: US$ 11,5 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 3,6 bilhões | Fonte de riqueza: aplicativo de mensagens

Seu aplicativo gratuito de mensagens Telegram tem sido uma fonte crítica de informações – e muita desinformação também – relacionadas à guerra Rússia-Ucrânia. Embora ofereça mensagens patrocinadas e níveis pagos que gerem alguma receita, a empresa privada não é lucrativa e nem almeja sê-lo. Durov, que disse que “lucrar nunca será um objetivo final”, deixou a Rússia há oito anos, depois de se recusar a cooperar com o serviço secreto russo e fornecer dados criptografados dos usuários de sua primeira rede social.

20. Tang Xiao’ou

Patrimônio líquido: US$ 2,2 bilhões | Variação desde março de 2022: -$ 3,5 bilhões | Fonte de Riqueza: Software

O bilionário de Hong Kong fundou a empresa de inteligência artificial SenseTime, que abriu o capital em um IPO muito adiado em janeiro de 2022. Apesar do boom da IA este ano, suas ações caíram 61% em relação ao ano passado – em parte porque o período de bloqueio de ações da SenseTime expirou, permitindo que os primeiros investidores sacassem. Em 2019, o Departamento de Comércio dos EUA colocou o SenseTime em uma lista de restrições comerciais por seu papel em permitir violações dos direitos humanos dos uigures e outros grupos muçulmanos na China, um movimento que o SenseTime chamou de “profundamente decepcionante”.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrar

Cadastrar

Redefinir senha

Digite o seu nome de usuário ou endereço de e-mail, você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.

Membership

An active membership is required for this action, please click on the button below to view the available plans.

pt_BRPortuguese