A evidência mais antiga de modernas fazendas remonta a cerca de 23.000 anos, próximo ao Mar da Galiléia, onde está localizado o estado de Israel. Mas, embora a região possa ter sido um dos berços da agropecuária, hoje em dia o cultivo de alimentos em grande parte do Oriente Médio raramente é simples.

Paisagens áridas caracterizadas por temperaturas extremas e recursos hídricos escassos significam que poucas culturas prosperam. As tamareiras estão entre as poucas plantas que podem lidar com o ambiente hostil. O ICARDA (Centro Internacional de Pesquisa Agrícola em Áreas Secas) estima que as tamareiras cobrem cerca de 365.000 hectares na Península Arábica, representando um terço do total global.

As tentativas de cultivar outras culturas muitas vezes enfrentaram problemas. As experiências anteriores da Arábia Saudita com o cultivo de trigo, por exemplo, provaram ser caras e um desperdício das limitadas águas subterrâneas do país. Após uma mudança na política do governo, a produção local de trigo caiu para quase nada em 2015-18, embora tenha começado a aumentar novamente mais recentemente.

Em sua maioria, os países do Golfo precisam importar grandes quantidades de seus alimentos. A consultoria Strategy& estima que os seis países do Conselho de Cooperação do Golfo – Bahrein, Kuwait, Omã, Catar, Arábia Saudita e Emirados Árabes – importam cerca de 85% de seus alimentos, incluindo 93% de cereais, 62% de carne e 56% de vegetais.

É a sua ampla riqueza, o petróleo, que impede que esses países caiam no Índice Global de Segurança Alimentar. Eles também já investiram em terras agrícolas no exterior, em uma tentativa de garantir seu suprimento de alimentos – mas esses investimentos podem ser controversos para as populações locais, a menos que sejam cuidadosamente administrados.

Alimentos do futuro

Agora, uma nova fase da agropecuária do Golfo parece estar ganhando impulso, com os investidores colocando dinheiro em produtos e técnicas mais inovadoras, de carne bovina cultivada em laboratório a fazendas verticais indoor.

Em Dubai, a maior fazenda hidropônica vertical do mundo foi inaugurada no início deste ano em uma enorme área perto do Aeroporto Internacional Al-Maktoum. 

Espalhado por 30.660 metros quadrados, a instalação pode produzir mais de 1 milhão de quilos por ano de folhas verdes, usando 95% menos água do que a agropecuária convencional.

As plantas cultivadas na instalação indoor incluem alface, espinafre e rúcula. Alguns deles chegarão às prateleiras dos supermercados próximos, com a marca Bustanica. Mas grande parte da produção será usada pela Emirates e outras companhias aéreas para o catering a bordo.

“A segurança alimentar e a autossuficiência de longo prazo são vitais para o crescimento econômico de qualquer país, e os Emirados Árabes Unidos não são exceção”, disse o presidente da Emirates, Sheikh Ahmed bin Saeed Al-Maktoum, falando em julho quando as instalações de Bustanica foram inauguradas. “Temos desafios específicos em nossa região, dadas as limitações em torno de terras aráveis e clima.”

A cerca de uma hora, na vizinha Abu Dhabi, a GreenFactory Emirates está construindo o que afirma ser a maior fazenda coberta do mundo, que poderá cultivar algo em torno de 10.000 toneladas de produtos frescos, por ano.

Em 2020, o ADIO (Abu Dhabi Investment Office) anunciou um pacote de incentivos no valor de AED 500 milhões (US$ 136 milhões ou R$ 736,1 milhões) para atrair empresas globais de tecnologia agrícola (agtech) para o emirado. Entre os envolvidos estão a empresa de agricultura vertical Aerofarms e os especialistas em irrigação RDI.

Insetos e carne

Outros investidores estão explorando opções mais exóticas. Em setembro, a Autoridade de Investimentos do Catar esteve envolvida em uma rodada de financiamento de € 250 milhões (US$ 244 milhões ou R$ 1,320 bilhão) na empresa francesa de biotecnologia Innovafeed, que produz proteínas à base de insetos e opera o que se diz ser a maior fazenda vertical de insetos do mundo.

Em julho do ano passado, a DisruptAD, com sede em Abu Dhabi – um braço do fundo soberano ADQ – investiu US$ 105 milhões (R$ 570 milhões) na startup israelense Aleph Farms, que desenvolveu um produto substituto de carne bovina cultivado em laboratório com emissão zero.

Na Arábia Saudita, um dos atores mais ativos foi o príncipe Khaled Bin Alwaleed Bin Talal, membro da família real e filho do magnata empresarial mais importante do país, o príncipe Alwaleed Bin Talal.

Nos últimos anos, a organização de investimentos do príncipe, baseado em Dubai, a KBW Ventures, fez uma série de investimentos em negócios de alimentos. 

Seu portfólio agora inclui participações em várias empresas relacionadas a alimentos, como Upside Food e Bond Pet Foods, que estão desenvolvendo carnes cultivadas em células, bem como negócios sem carne, como Beyond Meat, Ripple e TurtleTree.

Em um eco das origens da própria agropecuária, as empresas israelenses estão desempenhando um papel crescente na indústria de produção de alimentos do Golfo. Isso é cada vez mais verdade em países como os Emirados Árabes Unidos, que normalizaram os laços com Israel, mas há relatos de que agtechs israelenses também estão atuando em outros países, incluindo a Arábia Saudita.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrar

Cadastrar

Redefinir senha

Digite o seu nome de usuário ou endereço de e-mail, você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.

Membership

An active membership is required for this action, please click on the button below to view the available plans.

pt_BRPortuguese